Straight Passability

🌐 Translation in progress

Dentre suas muitas definições, a passabilidade hétero engloba a crença de que uma pessoa é hétero com base em vestimentas e comportamentos, quando, na realidade, ela é LGBTQ+. Tal suposição traz a normalização de que “todo mundo é hétero (e cis) até que se prove o contrário” e gera ainda mais invisibilidade para a comunidade multissexual, a qual já sofre com o apagamento constante de suas identidades.

A passabilidade hétero é derivada da estrutura cisheternormativa na qual a sociedade atual é pautada. Ela restringe as múltiplas sexualidades e gênero existentes, colocando-as em uma caixinha: hétero, homem ou mulher. Contudo, a pluralidade é inerente ao ser humano, de modo que a existência de inúmeras expressões de gênero e sexualidade são uma constante que deve ser reconhecida e respeitada.

Tal noção de passabilidade ainda se faz muito presente e tem suas raízes vinculadas aos estereótipos de gênero existentes. Um homem afeminado é lido como homossexual, enquanto um homem considerado “másculo” é enquadrado como hétero. A não-conformidade de gênero, portanto, acaba resultando em uma leitura superficial e, por muitas vezes, errônea e nada bem-vinda. 

A possibilidade de expressar-se como quiser é um direito inerente de todes aquelus que integram a sociedade. A passabilidade hétero reforça os estereótipos que giram em torno de expressões de gênero e de sexualidade, sendo, na realidade, um tipo de preconceito que resulta em um maior apagamento da comunidade multi.

Além disso, é importante o entendimento de que o alvo da passabilidade hétero não é apenas individual, mas também coletivo. A passabilidade pode atingir tanto indivíduos quanto as relações que elus integram: um casal LGBTQ+, por exemplo, pode ser lido como um casal “hétero”, quando, na verdade, é composto por pessoas multi. Uma leitura baseada em estereótipos, portanto, apaga a possibilidade de pessoas se identificarem como multi, quando são empurradas para a caixinha de “homo ou hétero”.

Vale mencionar, ainda, que apesar da passabilidade hétero afetar de forma mais frequente a comunidade multi, ela pode estar presente em qualquer pessoa que integre a comunidade LGBTQ+. A passabilidade hétero, por muitas vezes, envolve também a passabilidade cisgênero, a passabilidade allosexual, entre outras. A cisnormatividade é a origem da passabilidade hétero, uma vez que ela dispõe quem pode ou não ter “cara de LGBTQ+”. 

O combate à ideia dessa passabilidade é, portanto, essencial para que haja uma desconstrução em relação às noções de feminilidade e masculinidade que integram a sociedade. Combater a passabilidade hétero é também combater o preconceito, a estereotipação e toda uma estrutura moldada no apagamento e na marginalização de identidades LGBTQ+.


Referências: