Diwali Festival

ūüĆź Translation in progress

De nome derivado do termo s√Ęnscrito deepawali ou deepavali, que significa ‚Äúfileira de luzes‚ÄĚ, o Diwali √© um feriado nacional e festival religioso hindu, tamb√©m conhecido como o festival das luzes, marcado por cinco dias de comemora√ß√£o. Ele se inicia no primeiro dia do m√™s lunar Kartika ‚ÄĒ um m√™s do calend√°rio hindu que ocorre nos meses de outubro e novembro ‚ÄĒ, isto √©, na noite mais escura do ano, na lua nova. Nele, celebra-se a transi√ß√£o da Lua Minguante para a Crescente, a passagem das trevas √† luz.

Ao longo de todo o Diwali, comemorado uma vez por ano, a luz desempenha um papel √ļnico, como decora√ß√£o de lares e templos hindus, simbolizando a vit√≥ria do bem sobre o mal dentro de cada ser humano. Deste modo, as pessoas expressam gratid√£o a todas as coisas positivas que ocorrem em suas vidas. √Č tamb√©m durante o festival que religiosos hindu estreiam roupas novas, dividem doces e lan√ßam fogos de artif√≠cio.

Para muitas partes da √ćndia, este √© o Baile do Rei Ramachandra em Ayodhya, cidade situada √†s margens do rio Gagara no norte da √ćndia. Sri Rama, um dos avatares do Deus Vishnu, um dos principais deuses do hindu√≠smo, derrotou o mal encarnado em Ravana, figura antag√īnica no antigo √©pico hindu Ramayana, que havia raptado sua esposa, Sitadevi. O povo de Ayodhya, capital de seu reino, comemorou junto a ele, iluminando fileiras (Avali) de l√Ęmpadas (Deepa). Da√≠ o nome deepawali ou deepavali, que, devido ao tempo, passou a ser chamado de Diwali. Entretanto, em algumas regi√Ķes, a palavra n√£o sofreu altera√ß√Ķes.

No Janismo, uma das religi√Ķes mais antigas da √ćndia, o Diwali √© marcado como o nirvana do Lord Mahavira, que ocorreu em 15 de outubro de 527 a.C. Entre os sikhs, pessoas adeptas ao sikhismo, o festival tomou um significado especial a partir do dia em o iluminado Guru Hargobind (1595-1664) retornou a cidade de Amritsar, cidade indiana no estado do Punjab, ap√≥s ser detido e preso sob as ordens do imperador Mughal ou Mogol, Jahangir (1570-1627). Ele tamb√©m √© comemorado pelos budistas Newar, no Nepal.

Cada um dos cinco dias destinados a este evento tem uma atividade especial destinada a eles, sendo:

  • O primeiro, dedicado a ora√ß√Ķes √† deusa Lakshimi, esposa de Vishnu, a deusa da prosperidade, pedindo a ela riqueza e prosperidade. Nesse dia, os indianos costumam comprar objetos de ouro e prata, que simbolizam a riqueza.
  • O segundo, dedicado a c√Ęnticos religiosos para Lakshimi e Rama, em celebra√ß√£o ao epis√≥dio em que o deus Krishna, Deus Supremo do mundo segundo √†s cren√ßas hindu, matou Narakasura, o dem√īnio do mal.
  • O terceiro, onde acontece o verdadeiro Diwali. Casas s√£o enfeitadas por fora e muitos religiosos visitam os templos para adorar Lakshimi e Ganesha, deus do intelecto, da sabedoria e da fortuna para a tradi√ß√£o religiosa do hindu√≠smo e v√©dica. Na noite deste dia, acontecem v√°rios lan√ßamentos de fogos de artif√≠cio.
  • O quarto, onde a festa prossegue com muita comida. Tamb√©m chamado de Padwa, √© neste dia que se celebra o epis√≥dio em que Krishna derrotou Indra, o deus da chuva e dos c√©us. De acordo com a lenda, Krishna teria levantado um monte para salvar o povo das inunda√ß√Ķes e, em refer√™ncia a esse monte, os devotos fazem ‚Äúmontanhas‚ÄĚ de comida.
  • E o quinto dia, especial para os irm√£os. Diz a lenda que Yami, a deusa da morte, intercedeu por seu irm√£o g√™meo Yama ‚ÄĒ tamb√©m Deus da morte ‚ÄĒ e por isso, √© comum que as irm√£s fa√ßam ora√ß√Ķes por seus irm√£os.

Referências: