Islamophobia at the World Cup

ūüĆź Translation in progress

A Copa do Mundo √© um evento esportivo de futebol que ocorre a cada quatro anos. Nela, 32 pa√≠ses competem entre si at√© que um se torne campe√£o do mundo. √Č tradi√ß√£o que cada copa aconte√ßa em um pa√≠s diferente, escolhidos atrav√©s de um sorteio. A Copa do Mundo 2022 est√° acontecendo no Qatar, pa√≠s localizado na √Āsia Continental, em uma regi√£o conhecida como Oriente M√©dio.

Desde o an√ļncio do local onde seria sediado o evento, come√ßaram a surgir controv√©rsias atr√°s de controv√©rsias sobre como o pa√≠s em quest√£o lida com alguns assuntos, principalmente a respeito de diversas minorias sociais. Leis extremamente mis√≥ginas e contra pessoas LGBTQ+ ficaram em evid√™ncia por muito tempo, e diversas pessoas questionaram se um pa√≠s com leis t√£o duras seria o local ideal para um evento desse porte.

Apesar das cr√≠ticas ao modo como o Estado Qatar lida com esses assuntos serem v√°lidas, muita gente acaba caindo na chamada islamofobia, preconceito caracterizado pelo √≥dio contra pessoas isl√Ęmicas, tanto em decorr√™ncia da religi√£o quanto da origem √©tnica. Esse preconceito acontece nas mais diversas formas, desde a conex√£o de toda e qualquer pessoa mu√ßulmana ao terrorismo at√© a viol√™ncia f√≠sica contra esse povo.

No √Ęmbito da Copa no Qatar, a islamofobia acontece ao resumir todo um povo aos preconceitos e opress√Ķes do Estado onde vivem, colocando toda uma cultura em uma √ļnica caixinha, enquanto convenientemente se esquece que muitos pa√≠ses ocidentais considerados ‚Äúmais civilizados‚ÄĚ possuem os mesmos preconceitos, as vezes em maior escala ‚ÄĒ inclusive o Brasil, que est√° desde 2008 √† frente como o pa√≠s que mais mata pessoas transg√™nero.

√Č pertinente que se critique o posicionamento do Qatar em rela√ß√£o √†s pol√≠ticas de direitos humanos, mas sem nunca esquecer a quem essas cr√≠ticas devem ser referidas, e que todo um povo n√£o se resume √†s leis de seu pa√≠s. Pessoas mu√ßulmanas que fazem parte de minorias sociais existem. Pessoas mu√ßulmanas que lutam pelos direitos humanos em seus respectivos pa√≠ses existem, e n√£o devem ser resumidas aos preconceitos de uma parcela da popula√ß√£o.


Referências: