Aviso de Gatilho e de Conteúdo

Você provavelmente já se deparou com um filme, livro, postagem ou outro conteúdo que apresentou uma cena incômoda de repente, te pegando de surpresa. Alguns conteúdos sensíveis podem vir a trazer mal estar, desconforto e até crises mais fortes, como ataques de pânico e pensamentos que levem a pessoa a cometer alguma ação precipitadamente.

Esses fatores que podem vir a desencadear tais tipos de reações são denominados gatilhos. O termo foi inicialmente cunhado durante estudos envolvendo Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT/PTSD), e hoje é utilizado para contextos além do transtorno.

De modo geral, os avisos são utilizados para que a pessoa possa acessar o conteúdo de forma segura, com pouca ou nenhuma chance de que contenha algo que possa trazer qualquer tipo de desconforto.

Pondo em prática nas redes sociais:

1. Gatilho ou conteúdo?

Como a crise pode vir a ser ativada por qualquer coisa, dependendo das experiências passadas pela pessoa, os avisos são divididos em dois tipos: de gatilho e de conteúdo.

Os avisos de gatilho devem ser utilizados em tópicos sensíveis e assuntos mais pesados, como por exemplo ao mencionar certos tipos de crime.

Os avisos de conteúdo, por outro lado, são utilizados em assuntos desconfortáveis, como sangue e agulhas, ou que podem vir a causar crises em contextos específicos.

Neste último caso, vai depender da situação em si. Por exemplo, a foto de um alimento pode vir a engatilhar uma pessoa com compulsão alimentar e, por isso, seria importante adicionar um aviso.

O TW, que significa Trigger Warning, é frequentemente utilizado no português para indicar os gatilhos, tal qual o CW, Content Warning, é utilizado para a indicação de conteúdo.

Levando em conta certa dificuldade na diferenciação entre gatilho e conteúdo, algumas pessoas acham interessante avisar de outras formas, colocando coisas como “aviso: contém menção a […]”. Desta maneira, além de evitar a confusão acerca dos termos em si, evita também acerca da língua, visto que nem todas as pessoas entendem inglês e compreenderão as siglas.

2. Censura

Usualmente, quando algum tópico faz mal à alguém, essa pessoa busca se distanciar dele. As redes sociais tem algumas ferramentas que auxiliam nesse processo, como por exemplo o twitter e a função de silenciar palavras.

Estas funções, no entanto, podem ser atrapalhadas com determinadas ações, como a censura de palavras. Ao falar sobre alguns tópicos, é comum a troca de algumas letras por números e outros caracteres. Isto, no entanto, impede o algoritmo de localizar aquela palavra ou termo, fazendo com que ela apareça para quem a silenciou.

3. Espaçamento

É comum que algumas pessoas avisem o gatilho/conteúdo e, em seguida, coloquem alguns pontos ou caracteres para distanciar o assunto sensível do aviso. Isto acontece para que a pessoa tenha tempo de ler o alerta e se preparar, ou até mesmo pular a publicação.

No entanto, a repetição de certos tipos pode ser prejudicial a leitores de tela. Sendo assim, é interessante que seja feita apenas quando necessário, ou seja, quando houver algum conteúdo gráfico como imagens ou vídeos fortes. 

4. Menção ou reprodução

Também é importante avisar se o conteúdo sensível será apresentado de forma explícita ou apenas mencionado, assim, a pessoa sabe o que exatamente deve esperar.

Exemplos:

• TW // Violência; transfobia; lgbtfobia
• CW // NSFW; nudez
• Aviso // disforia; imagem corporal; aparência
• // menção a comida

Colocando em prática em conversas:

Apesar de o argumento “ninguém no mundo real liga para os seus gatilhos” ser muito utilizado, é mais do que comum vermos avisos em filmes, séries, salas de aula e outros.

Quando a pessoa a introduzir o assunto sensível for você, é interessante mencionar de forma clara quais são os temas a serem abordados, dando o tempo e a opção para que aquelus que se sentem incomodades com este tipo de conteúdo possam se retirar.

Lista de possíveis gatilhos:

• Morte
• Suicídio
• Abuso sexual/estupro
• Assédio
• Autolesão/automutilação
• Abuso infantil/pedofilia
• Racismo
• Misoginia/machismo
• Lgbtfobia (podendo haver a necessidade de especificar)
• Sequestro
• Xenofobia
• Incesto
• Transtornos alimentares
• Crueldade animal

Lista de possíveis conteúdos sensíveis:

• Sangue
• Agulha
• Comida/bebida
• Gravidez
• Aborto
• Anfíbios (podendo haver a necessidade de especificar)
• Insetos (podendo haver a necessidade de especificar)
• NSFW
• Nudez
• Imagem corporal
• Luzes piscando
• Som alto
• Jumpscare/susto
• Gemidão/gemido
• Vômito
• Gritos
• Caixa alta/capslock
• Repetição de caracteres
• Keysmash

Como mencionado anteriormente, os conteúdos que podem vir a ser sensíveis a alguém vão depender de experiências pessoais e, por isso, a lista acaba sendo infinita. É importante prestar atenção a assuntos que deixam as pessoas próximas de você mal, assim como informar quais tópicos que lhe fazem sentir desconfortável ou lhe trazem crises.

Por fim, não ser capaz de avisar todos os gatilhos sempre não significa que você não deva fazê-lo sempre que possível. Informar acerca de conteúdos dolorosos é uma questão empática, e não custa nada tomar alguns segundos do seu tempo para evitar certo mal-estar.

Compartilhe: