Como Contribuir na Luta Anticapacitista

1. Siga Pessoas com Deficiência nas redes sociais e OUÇA o que elas tem a falar

Não é à toa que o lema da luta PcD é “Nada sobre nós sem nós!”. Por séculos, PcDs foram tratades como incapazes e apagades da própria luta. É importante entender que o primeiro passo na luta anticapacitista é dar espaço para PcDs falarem e escutar o que elus tem a dizer. O que não falta é PsD falando por PcDs, comece escutando as vozes certas.

2. Estude o modelo Biopsicossocial da Deficiência

Quando dizemos para estudar, não estamos falando somente de textos acadêmicos, há muites PcDs que falam bastante do assunto em suas redes sociais de forma acessível. Mas, afinal, o que é esse modelo? O modelo biopsicossocial da deficiência traz que as deficiências fazem parte da diversidade humana e não são algo negativo, as barreiras surgem do contato com a sociedade (que é inacessível). Portanto, a dificuldade parte da falta de acessibilidade e não da deficiência em si.

3. Torne seu perfil acessível a todes

A luta tem que começar em você, faça sua parte! Aqui vão algumas dicas de como tornar seu perfil acessível:

3.1. Descreva suas mídias (link thread)

É importante para pessoas que utilizam leitor de tela que as mídias tenham texto alternativo para que elas saibam o que tem na imagem/gif/vídeo.

3.2. Evite fontes enfeitadas porque podem atrapalhar leitores de tela (emojis são ok)

Fontes de estilos diferentes podem não ser reconhecidas por leitores de tela e, portanto, acabam sendo ilegíveis.

3.3. Legende vídeos e transcreva áudios

Para pessoas que assistem vídeo sem áudio, como surdes e algumas autistas, etc, é importante que os vídeos sejam legendados.

3.4. Se indicador de tons (link thread)

Indicadores de tons ajudam não só neurodivergentes como a todes na compreensão de texto e evita ambiguidades

3.5. Use avisos de gatilhos 

Avisos de coisas como sons altos, luzes fortes, sustos, etc, são importantes para neurodivergentes, que podem acabar se sobrecarregando ou ficando mal com alguns vídeos.

Lembre-se: respeite as diferenças!

Compartilhe: