Caricaturas Racistas na História do Brasil

Há alguns anos, o racismo circulava de forma muito mais aberta no meio midiático. O famoso Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato, é um exemplo bem claro de como o racismo se naturaliza até mesmo em programas infantis. Nele, a personagem Tia Nastácia, cozinheira descrita como “negra de estimação”, é vítima de racismo explícito, tanto por parte das personagens quanto por parte do próprio escritor durante a escolha das palavras a serem utilizadas.

Ler mais

O Direito ao Preferencial

Muito provavelmente, você já se deparou com placas indicando grupos preferenciais em assentos de transportes públicos, filas em estabelecimentos comerciais, vagas de estacionamento e até meia-entrada em alguns eventos. Isso é estabelecido pela Lei n° 14.626, que incluiu pessoas autistas junto às seguintes categorias já contempladas anteriormente para atendimento preferencial: PCDs (pessoas com deficiência), pessoas com mobilidade reduzida, idosos com mais de 60 anos, pessoas gestantes ou lactantes, pessoas com bebê de colo, pessoas obesas e pessoas autistas.

Ler mais

Quem foi Magnus Hirschfeld?

Magnus Hirschfeld foi um médico polonês/alemão que é reconhecido como o pai da sexologia moderna. Além de ter contribuído com avanços médicos na saúde de pessoas LGBTQ+, também propôs ideias revolucionárias para a época, como a naturalização da homossexualidade.

Ler mais

Transmisoginia e Autopercepção

Pessoas trans alinhadas ao feminino enfrentam diversas formas de discriminação em suas vidas diárias. Isso pode parecer óbvio, mas é necessário em tempos nos quais se tem esquecido o básico, especialmente quando o assunto envolve empatia.  A transmisoginia, que é a interseção entre a transfobia e misoginia direcionadas especificamente a pessoas trans alinhadas ao feminino, faz com que essas pessoas recorram a estratégias para evitar ou mitigar esse tipo de violência, em prol de sua sobrevivência e saúde mental.

Ler mais

Luta Antimanicomial

A cultura da institucionalização em hospitais psiquiátricos no Brasil vem desde o reinado de Dom Pedro II, com a construção do manicômio que leva seu nome em 1852. Historicamente, a dita “loucura” é primeiro interpretada por meios religiosos, passando a ser vista como patologia de fato a partir da expansão do movimento positivista. Com esse movimento, cresce a noção da descrição e categorização da loucura, sendo necessário um tratamento que obedece a mesma lógica de males físicos, como a hospitalização. Já em 1882, Machado de Assis crítica em seu conto “O alienista” a tentativa dos psiquiatras positivistas de categorizar como doença e tratar com a institucionalização todo comportamento desviante.

Ler mais