Passabilidade

Muito debatida entre a comunidade transgênero, a ideia de passabilidade é uma discussão complexa por envolver também questões relacionadas ao preconceito racial, LGBTfobia, capacitismo, etc.

De modo geral, o termo é utilizado para se referir a quando uma pessoa aparenta ser pertencente a determinado grupo, de acordo com os estereótipos socialmente impostos. No caso da passabilidade trans, a identidade visual é o que compõe a percepção dos outros indivíduos sobre essa pessoa, ou seja, a sociedade enxerga essa pessoa trans como uma pessoa cis. 

Os principais fatores levados em consideração são as expressões binárias de gênero, ou seja, como a sociedade enxerga o comportamento de um indivíduo e preconcebe uma ideia a respeito da sua expressão de gênero, porém se apoiando na ideia de apenas duas concepções de gênero: homem e mulher.

Esse discurso é bastante problemático, pois, por mais que uma pessoa passável possa não ser foco de determinado tipo de preconceito, isso causa uma impressão de falso pertencimento a um grupo mais aceito pela sociedade — o de pessoas cis.

Dentro da própria comunidade transgênero, o conceito também pode vir a ser utilizado no estado de euforia de gênero, que consiste em qualquer sentimento positivo quanto à relação da sua expressão de gênero com a sua identidade em si. Quando traz esse sentido, o termo inclui pessoas não-binárias e pode encontrar-se fora dos estereótipos binários socialmente impostos.

Ainda que a definição de passabilidade seja amplamente discutida na comunidade LGBT, essa ideia surgiu nos EUA, pelo Movimento dos Direitos Civis, numa época de segregação racial, e se refere a descendentes de pessoas negras que têm passabilidade como pessoas não-negras. Esse conceito no Brasil pode ser relacionado ao colorismo, a identificação de pessoas negras com base no seu tom de pele.

Quando tal concepção é relacionada a pessoas trans racializadas, o sentido de passabilidade parece divergir, visto que o ideal de feminilidade venerado pela sociedade ocidental é baseado em uma cultura européia, branca, cisnormativa e racista; assim, pessoas trans racializadas têm mais dificuldade de serem passáveis, diferente de pessoas brancas que, por mais que sejam transgênero, não fazem parte da opressão sofrida por pessoas racializadas.

Essa questão é muito complexa e precisa ser mais debatida em todos os meios que sejam possíveis de integrar, pois há muitos exemplos de como a passabilidade afeta a sociedade atual e é de grande importância o compartilhamento de informações a respeito do tema.


Referências:

Compartilhe: