Hiperfoco

O hiperfoco se caracteriza como uma alta concentração baseada em uma única coisa durante um intervalo profundo de tempo. Indivíduos que passam por eventos de hiperfoco encontram-se tão concentrados que muitas vezes acabam deixando de perceber o mundo ao seu redor. 

Hiperfoco é comumente associado a um sintoma de TDAH, geralmente identificado tanto em crianças quanto adultos com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Pessoas neurotípicas também podem relatar situações parecidas com hiperfoco, no entanto, trata-se de um fenômeno vivenciado por pessoas neurodivergentes.

Hiperfoco no TDAH:

Segundo pesquisas recentes, o TDAH é entendido como um transtorno do neurodesenvolvimento com origem neurobiológica. É importante destacar que o TDAH não é apenas um distúrbio de atenção, mas também afeta as funções executivas.

De acordo com o artigo “Living ‘in the zone’: hyperfocus in adult ADHD”, o termo hiperfoco é usado para caracterizar um estado de atenção intensificada que pessoas com TDAH relatam frequentemente. O indivíduo durante um evento de hiperfoco pode se sentir preso a pequenos detalhes e faltando com atenção às coisas que acontecem à sua volta. 

O estado de hiperfoco no TDAH é, geralmente, interpretado como algo positivo pelas pessoas que experienciam esse evento, visto que a característica central do transtorno é o déficit de atenção.

Indivíduos com TDAH apresentam níveis mais baixos de dopamina, o neurotransmissor associado à motivação e ao sistema de recompensa imediata. Assim, atividades que geram prazer estão profundamente relacionadas ao controle atencional dessas pessoas. Tanto crianças como adultos, ao realizarem atividades que provoquem o sistema de recompensa do cérebro, podem manter esse hábito, ocasionando o hiperfoco.

Hiperfoco no TEA:

O transtorno do espectro autista (TEA) se refere a uma coexistência de características que comprometem a comunicação, forma de expressar a linguagem, o comportamento social e a intensa repetição de atividades que são interessantes para ê autista.

A questão do hiperfoco no TEA tem sido relacionada com a dificuldade de mudar o rumo de certas atividades ou pensamentos a partir da mudança de cenário.Esse fator está intrinsecamente ligado à flexibilidade cognitiva, dessa forma, situações que exigem adaptação são consideradas como um obstáculo para ê autista. A ideia do hiperfoco no autismo é que a tarefa em que elus estão hiperfocados seja previsível, sendo assim, ês autistas demonstram aversão a situações imprevisíveis.

É importante entender que o hiperfoco pode ser melhor direcionado através de terapia, com ajuda profissional adequada. Cada indivíduo apresenta uma individualidade, onde algumas características, como no caso do hiperfoco, vão sendo reconhecidas em outras pessoas neurodivergentes. Todas essas particularidades vão influenciar na forma como cada neurodivergente se relaciona, se apresenta e se comporta. 


Referências:

Compartilhe: